Paulista 2200: o endereço do rádio


Prédio abriga nove emissoras de diferentes estilos, do sertanejo ao pop

Por Paulo Pacheco

Edifício The Central Park que abriga nove emissoras de rádio.

Localizado no número 2200 da Avenida Paulista, o Edifício The Central Park poderia se chamar “Casa do Rádio”. O prédio abriga nove emissoras, entre AM e FM, de variados estilos e públicos. O Paulista 900 visitou duas rádios: a Tupi, especializada em música sertaneja, e a Metropolitana, voltada ao pop.

Atualmente, o Edifício The Central Park é o endereço das seguintes emissoras: Mundial AM e FM no primeiro andar, Terra AM e FM no segundo, Metropolitana FM no 14º andar, Tupi AM no 17º, Tupi FM no 18º, Fast 89 FM no 19º e Alpha FM no 22º andar. A explicação para tantas rádios em um mesmo endereço é geográfica: por ser um ponto alto da capital, a Avenida Paulista atrai emissoras de rádio e TV que desejam expandir o alcance de suas transmissões e, assim, instalam antenas no topo dos prédios para ter maior cobertura. “As ondas AM contornam o obstáculo. As ondas FM não contornam, elas refletem para cima ou para o lado. Quanto mais prédios, pior é a transmissão”, explicou o diretor artístico da Tupi FM, Enio Silvério.

Ao chegar para a entrevista com o diretor artístico da Tupi FM, a reportagem foi barrada logo na portaria. “A rádio Tupi está fechada”, informou a segurança. Minutos depois, já dentro da emissora, Silvério esclareceu o mal-entendido: “A dupla Fernando e Sorocaba esteve aqui agora há pouco, e a segurança usou essa desculpa para não encher de fãs a entrada do prédio”, justificou.

Quando um músico ou uma banda de sucesso se apresenta em uma das rádios do Edifício The Central Park, rapidamente fãs se aglomeram na entrada do prédio. Por uma questão de responsabilidade, a Tupi não realiza mais promoções que trazem os ouvintes à rádio para conhecer o artista. A emissora líder de audiência em São Paulo reconhece a dificuldade para manter a ordem quando o cantor do momento aparece no prédio da Avenida Paulista.

Corredores da rádio Tupi FM.

“Na última vez que trouxemos o Luan Santana, fizemos uma brincadeira no auditório, tumultuou a recepção do edifício e sobrou para a Avenida Paulista, e veio o pessoal da CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) comentando que [o evento] estava atrapalhando o trânsito na rua porque tinha muita gente. A partir do momento em que começamos a atrapalhar o trânsito na Paulista, tornamos mais difícil o dia de alguns ouvintes nossos, como é o caso dos taxistas”, comentou Silvério.

Nem mesmo a reforma dos estúdios, concluída em fevereiro, ampliou o espaço físico da Tupi FM, que prefere realizar shows e eventos de pequeno porte no auditório localizado no térreo do mesmo prédio, pertencente ao Grupo CBS (Comunicações Brasil Sat), que controla, além da Tupi, as rádios Kiss FM, Mundial e Terra.

Já a reforma da Metropolitana FM, finalizada em 2007, permite que bandas e fãs estejam juntos no mesmo estúdio. Além disso, a rádio, voltada ao público jovem, convida os ouvintes a assistirem aos programas ao vivo. “Reformamos o estúdio e plateia deixou o programa mais vivo, a galera participa”, contou o radialista Marcelo Barbur, o Beby, que apresenta o programa de maior audiência da emissora, o humorístico Chupim.

No ar desde 1996, o Chupim ganhou público com o quadro de trotes, que deu à Metropolitana o primeiro lugar de audiência durante o horário de exibição do programa, entre 18h e 20h, além de tornar o programa referência no humor radiofônico.

Diretor artístico da Tupi FM, Enio Silvério.

“São classificados de jornais, vemos o anúncio na hora e depois começamos a sacanear. O trote é 100% improviso. Ligamos para fora da cidade, porque as chances de os trotes darem errado são grandes. Graças a Deus estamos há tanto tempo no ar e a galera ouve, identifica a voz e percebe que é sacanagem”, declarou Barbur.

O inimigo mora ao lado? Não é bem assim

Apesar de estarem no mesmo endereço, as emissoras da Avenida Paulista não veem concorrência e os funcionários de cada uma se tratam como colegas de profissão. “As rádios são coirmãs, somos praticamente todos amigos”, afirma Marcelo Barbur.

Para o diretor artístico da Tupi FM, a convivência entre as rádios do mesmo prédio é boa e respeitosa. “É natural que nos encontremos nos elevadores, no dia a dia, mas é uma situação do cotidiano mesmo”, comentou Enio Roberto.